As Lendas Urbanas Mais Arrepiantes do Mundo






   Sendo o terror um tema recorrente aqui no Histórias de Mistério e sendo o seu singelo autor um folclorista, não iria demorar para sair um artigo sobre lendas urbanas. E aqui está. Aproveitem as deliciosas histórias que tiram o sono de pessoas das mais variadas culturas pelo mundo. Se quiser deixar para ler de madrugada, com as luzes apagadas... tanto melhor! Acendendo uma vela na sua cômoda, então, fica óh... uma maravilha de assustador - recomendação do Histórias de Mistérios.



Japão

A Mulher da Boca Rasgada










   Chamada de Kuchisake Onna (Mulher da Boca Dividida ou Cortada) é uma jovem mulher que aparece próximo a escolas primárias japonesas usando uma máscara e com uma navalha ou tesoura na mão. Quando a vítima, frequentemente um estudante, se aproxima dela, é indagada pela mulher: "Eu sou bonita?" Então tira a máscara e revela sua boca rasgada de orelha a orelha. Se a vítima responde que não ou não responde nada ou corre, a Kuchisake Onna assassina cruelmente a vítima. Mas se a vítima disser que ela é bonita, a Kuchisake Onna simplesmente abre um sorriso bem "bonito", igual ao dela, na vítima adolescente e vai embora. Tipo: dos males o menor.
   Dizem que essa mulher tem a boca rasgada por conta de uma operação plástica que não teria dado certo, ao contrário de suas irmãs. A Kuchisake Onna seria a caçula de três irmãs. Ela teria morrido na operação e virado um fantasma ou teria virado um Youkai (duende ou entidade). Seu cirurgião usava um tipo de brilhantina no cabelo chamado Pomado. Então, a única forma de escapar do Youkai é dizer a palavra "Pomado" três vezes e sair correndo que ela não perseguiria.


Escócia


A Morte Branca







  Uma jovem escocesa, cansada da vida, resolveu se matar. Mas não contente com um suicídio simples ela quis apagar todos os traços de sua existência: Queimou seus documentos, deletou suas postagens nas redes sociais... ele queria não só morrer mas que ninguém se lembrasse mais dela. Depois de limpar tudo o que podia identificá-la ela se matou.
  A família descobriu o plano mas não tiveram muito tempo para ficar de luto. A menina morta apareceu para todos os seus familiares, tirando a vida de um por um. Pois não queria nenhuma memória dela.





  A lenda conta que essa moça se tornou um ser maligno chamado Morte Branca, que não tolera que ninguém saiba sobre sua existência. Ela bate na porta da casa, cada vem mais alto e forte, e quando a pessoa atende, seu corpo simplesmente cai sem vida.
  Mas a história não acaba por aí... agora você também sabe sobre a Morte Branca; tome cuidado na hora de atender a porta.


 
México
La Lhorona










  Contam que, por volta de 1500, havia uma mulher muito bela e cobiçada no México. De todos os apaixonados pela mulher, um rapaz chamou a sua atenção por se aproximar dela com calma e aos poucos. Eles se casaram e tiveram um filho.
  Mas certo o dia, no aniversário de 5 anos do filho, o pai foi para a cidade comprar um presente e nunca mais voltou. Sem saber se o seu amor tinha sido assassinado, raptado ou mesmo a abandonado, a mulher sofreu por muitos meses. Mas logo superou o desaparecimento do marido e continuou a criar seu filho sozinha.
  Com o tempo, ela se apaixonou por um fazendeiro local. Mas o fazendeiro não a queria por que ela tinha um filho e ele não estava disposto a criar o filho dos outros. Nesse momento, a jovem mudou, seu semblante se tornou frio, parecia que a loucura a tinha possuído.
  Certo dia, a mulher chamou o filho para nadar no lago Texcoco. No lago, a mãe foi logo para a parte funda, mas seu filho ficou brincando no raso. A mãe chamava seu filho: "Venha filho, você já tem idade para vir para o fundo. Venha!", convidava a mãe. O garoto foi indo até sua mãe no fundo. Inicialmente, a água batia na cintura do garoto, mas logo atingiu o peito; logo o garoto já estava com água até o pescoço, isso se andasse na ponta dos pés. 
  "Vou lavar seu cabelo, filho" - a mãe dizia. Então afundou o garoto na água. Quando o menino já estava chacoalhando os braços, tentando sair, a mãe enlouquecida firmava ainda mais a cabeça dele no fundo da água. A mulher matou o próprio filho; deixando seu corpo ser levado pelas águas.
  Então ela foi até o fazendeiro e afirmou que não tinha mais filho. Percebendo que ela teria assassinado o filho o fazendeiro a rejeitou.   
  Após a rejeição a mulher teria voltado a si, percebendo a loucura que cometera. Ela era sempre vista na margem do lago, chorando: "Onde está o meu filho!". Seus lamentos eram ouvidos por todos os que se aproximavam do local. Quando alguém tentava falar com ela, a mulher ignorava, apenas repetindo "Onde está o meu filho!"
   Ela ficou dias e noites no mesmo local, lamentando. Mas logo ela não era mais vista ali. Ela não era mais vista em lugar nenhum.
  Porém, seus lamentos ainda podem ser ouvidos nas margens do lago e... raramente, mesmo depois de mais de 500 anos, ela aparece, fatasmagoricamente, perguntando para qualquer um próximo ao lago, principalmente na escuridão da noite: "Onde está o meu Filho!" Alguns pescadores noturnos afirmam terem visto a mulher, bem como outro grupo seleto de azarados que passeavam perto do lago durante a noite. A mulher ficou conhecida como La Lhorona ou "A Chorona." 


Brasil

A Boneca da Xuxa.









  Por volta dos anos 90, circulava muitas bonecas da apresentadora Xuxa pelo Brasil. Mas um caso especial realmente circulou nos jornais sorocabanos: Uma menina que teria sido morta sem explicação. A menina tinha graves ferimentos pelo corpo e a boneca dela, da Xuxa, foi encontrada com os dedos sujos com o sangue da vítima.
  Dizem que a mãe da menina, muito pobre, queria realizar o sonho da filha, de ter uma boneca da Xuxa. Certo dia, ela apareceu com a boneca sem nenhuma explicação de como teria conhecido adquirir uma. A menina amanheceu morta nas circunstâncias já apresentadas no parágrafo anterior.




  O que é fato é que muita gente tinha medo da boneca. Muitas mulheres que haviam ganhado uma dessas bonecas na infância não possuem boas lembranças da boneca. Era comum elas deixarem a boneca guardada, algumas até a trancavam por fora no armário. 
  Como bonecas gigantes eram novidade na época, não é difícil pensar que essas bonecas inspiravam medo. Figuras artificiais com formato humano confundem nosso inconsciente, programado para identificar essas figuras como outros seres humanos. Então vem o medo instintivo dessas bonecas ganharem vida.
  Mas a lenda da Boneca da Xuxa, certamente, rendeu muita grana para os jornais da época. 


A Gangue dos Palhaços Malditos







  Eu ouvi essa história quando eu era criança. Certamente, é uma lenda que ocorreu em todo o Brasil nas décadas de 80 e 90.
  Eu ouvia sobre uma Kombi com palhaços, muitas vezes tinha uma bailarina também, que juntavam um monte criançada nas praças, fazendo truques, muita graça, e os riso das crianças, encantadas, ecoavam pela praça. 
  Quando a festa terminava. Os palhaços agarravam as crianças e as levavam embora. 
  A versão que me contavam era que os palhaços as matavam e vendiam seus órgãos; porque órgãos infantis eram difíceis de achar e valiam muito. 




  Essa foi apenas a primeira de dezenas de lendas que eu ouvi sobre roubo de órgãos. Parece um medo mundial a idéia de que temos um verdadeiro tesouro dentro de nós, com pessoas gananciosas o bastante para nos "abrir" e se apoderar desse tesouro.


EUA

 O Cadáver no Tanque de Bebida.







  A versão da lenda se adequa aos ouvintes: para homens, pode ser um tanque de cerveja ou para outros, uma caixa d'água. Mas a lenda se difundiu muito entre os bebedores de Coca Cola.
  A lenda conta que um funcionário da empresa foi trabalhar bêbado e  caiu em um dos tanques de Coca Cola. Como o tanque era grande, e a composição da bebida inclui ácidos, ninguém notou e o cadáver foi se decompondo; e foi sendo engarrafado para o deguste dos alegres consumidores da bebida.
  Dizem que essa lenda foi tão difundida que chegou a impactar seriamente as vendas da empresa.
  Um caso parecido aconteceu com Elisa Lam, ela teria se afogado na caixa d'água do prédio onde morava. O afogamento só foi notado pela aparência e sabor da água que os moradores do prédio bebiam. Mas como essa é uma história real, não se aplica a lenda urbana. Pode ficar para um artigo futuro com casos arrepiantes reais, que tal?  


 
A Noiva da Mata






  Essa lenda urbana é contada em São José do Rio Preto e região. A história conta sobre um casal que iria casar em outra cidade, visto que a família era contra o relacionamento.
  Essa "outra cidade" era São José do Rio Preto. Para não levantar suspeitas, o rapaz foi até a cidade primeiro. E noiva pediu carona para um amigo do casal para chegar na cidade.  
  Na estrada para a cidade a carona da noiva teria atropelado algum animal. A noiva saiu para ver se o animal teria salvação mas, distraída com o animal, ela foi atropelada por uma carroça e morreu. Pisoteada pelos cavalos, seu vestido branco de noiva, ficou tingindo de sangue escarlate.
  O noivo ficou esperando por ela por muito tempo até saber da tragédia e ficar arruinado.
  Mas a noiva ainda espera por ele em pós-mortem. Muitos afirmam ver a noiva vermelha, perambulando pela mata, perdida, tentando encontrar o caminho para São José do Rio Preto.



Itália

O Cão de Dom Bosco








  Dom Bosco foi um padre italiano do século dezenove. A lenda diz que, em 1854, Dom Bosco precisou voltar do centro da cidade, do Colégio Eclesial, tarde da noite. Uma noite sombria e mal iluminada.
  Quando foi surpreendido por assaltantes. O padre se defendeu bravamente mas sucumbiu pelo maior número dos assaltantes. Quando os bandidos o amordaçaram, a lenda diz que Dom Bosco clamou a Deus por proteção.
  De repente, um cão enorme e cinzento sai das sombras e aterroriza os bandidos. O cão derruba um deles na lama e mostra os dentes ferozes para os bandidos.
  Os bandidos aterrorizados clamam para que Dom Bosco tenha misericórdia e não permita que o cão os morda. 
  Dom Bosco chama seu cão. "Grigio, venha". O cão, obediente, deixou os ladrões em paz. Os ladrões notaram assim que aquela fera era aliada do Padre e respondia por um nome, Grigio.





  Grigio teria protegido Dom Bosco em muitas ocasiões. Até ficou com a fama de ter poderes de previsão, antevendo os perigos de seu dono. Decididamente, uma lenda urbana italiana.
  Certa vez o cão teria impedido o padre de sair. Após os conselhos da mãe, de ouvir o cão, Dom Bosco decidiu não sair de casa. Logo após isso, um vizinho veio correndo avisando o padre para não sair de casa, porque, naquele mesmo momento, passou um grupo de homens armados decididos a matar Dom Bosco.
  O próprio padre relata que descobriu seu cão por acaso. Ele conta que, em certa tarde, com certo medo, uma vez que sabia que muitos atentavam contra sua vida na região, Dom Bosco apressou o passo para não ter que caminhar a noite. E então encontrou o cão saindo das sombras das árvores. No início o padre ficou com medo mas, ao perceber que o cão fazia a festa como se Dom Bosco fosse seu dono, o padre adotou o cão, que se tornou seu protetor desde então, chamando-o de Grigio, devido a sua pelagem acinzentada. 


Indonésia
O Pocong 










  Segunda a lenda indonésia, o espírito de um falecido precisa ficar no mundo dos vivos por 40 dias, habitando o corpo do cadáver, até estar preparado para deixar a Terra. Por isso os cadáveres são amarrados em sua mortalha na cabeça e nos pés, para o espírito não sair prematuro.
  Mas se a família esquece de desatar o nó da cabeça do cadáver, o cadáver se levanta e precisa ir até os familiares pedir para desatar o nó. Amarrado, ele se locomove pulando ou como uma larva no chão; são chamados de poncongs.
  Há muitas fotos e vídeos pela internet que são, alegadamente, imagens de um pocong. Uma autêntica lenda urbana.






 Walt Disney no Freezer







  É muito comum falar de empresas que congelam pessoas famosas para posterior ressuscitação. A lenda diz que o primeiro teria sido Walt Disney. Mas as cinzas de seu corpo cremado discordam.





País de Gales

 A Bruxa da Bruma









   A Bruxa da Baba ou Bruxa da Bruma é uma espécie de górgona galesa que assombra as famílias mais tradicionais do país. Ela aparece quando a morte de alguém da casa se aproxima.
   Ela seria uma velha encarquilhada com unhas feito garras e asas de morcego saindo de sua corcunda. Ela aparece gritando e lamuriando de forma fúnebre.
   A lenda diz que ela somente anuncia a morte de pessoas de famílias tradicionais.
    Por setecentos anos, a família Stardiling viveu no castelo de São Donato, na costa litorânea de Glamorgam. Embora a família Stardiling não tenha mais vivido no local, a velha górgona ainda assombra o castelo, segundo relatos de hóspedes.
  Quando a velha aparece assim é comum os mais antigos comentarem que deve ter sido por conta da morte de algum membro da família Stardiling. Após a morte do último membro da família Stardiling, a górgona nunca mais foi vista no castelo. 





Argentina
El Petizo













  Trata-se de uma sombra que ataca pessoas que andam sozinhas. Não é incomum aparecer alguém em um hospital argentino, alegando que foi espancado pelo El Petizo.
   O caso mais recente foi de um rapaz que andava de bicicleta em uma estrada mal frequentada, na província de El Duraznito. O rapaz iria participar de uma caça noturna com uns colegas; estava armado com um espingarda. 
   Indo ao ponto de encontro, já durante a noite, no meio da mata que acompanha a estrada, o rapaz foi derrubado de sua bicicleta. Quando se virou para olhar o que o teria derrubado, ele somente viu uma sombra negra se aproximando. O rapaz deu dois tiros certeiros na aparição, sem dano aparente. Quando a criatura sombria se aproximou, o rapaz se defendeu com sua faca, também sem resultados. 
   El Petizo derrubou novamente o rapaz, e o pegou pelos cabelos, o arrastando para a beira da estrada. O rapaz pôs-se a gritar a todo o fôlego. Um homem que passava próximo foi atender aos gritos e chegou a ver a sombra arrastando o rapaz. Mas a sombra se desvaneceu assim que o homem se aproximou, deixando o rapaz em paz.




 Mc Nhoca






  Uma lenda urbana que se espalhou por muitos países é que o Mc Donalds usa carne de minhoca em seus hambúrgueres.
  É possível que alguém tenha espiado a carne saída do moedor da empresa e tenha confundindo com minhocas.
  Uma pergunta simples coloca essa lenda em sérios apuros. Uma vez que, só no Brasil, o McDonalds vende toneladas de carne em forma de hambúrgueres por mês, quantas minhocas teriam que ser produzidas, uma vez que cada minhoca pesa cerca de 30 gramas? Seriam 33 000 minhocas para fabricar uma tonelada de carne! 33 000 minhocas dariam muitíssimo mais lucro produzindo húmus do que sendo transformadas em hambúrgueres. Se o McDonalds produzisse tanta minhoca, certamente, seria uma fazenda de húmus e não um fast food.



 
A Mulher-Centauro de Jaguaruana 











  Nada de Lobsomem nem Chupacabras. Em Jaguaruana as lendas são sexys,  como a Mulher-Centauro.
  Essa mulher cavalo, que tem até um sex appeal entre os moradores, costuma aparecer, frequentemente para homens, no meio da noite, perguntando para onde eles vão. Quando a vítima corre assustada, a Mulher-Cavalo, como ela é chamada, os perseguem.
  Geovane, um rapaz de 18 anos, afirma que viu a Mulher-Cavalo, enquanto voltava para casa de um circo, tarde da noite, em um domingo. Ela teria aparecido atrás dele, e perguntado: "Para onde vai?" Ele apareceu em casa, ofegante e desesperado, aos berros, contando sobre a mulher-cavalo. Segundo sua mãe, a Dona Biró, ele chegou em casa "quase sem fala" e  "não é menino de mentiras."
  Dois motoqueiros também teriam visto a mulher cavalo, que os perseguiu.
   A Mulher-Cavalo é uma lenda diferente, quem sabe uma versão da mula-sem-cabeça, que tem atraído o interesse de folcloristas.



 
Teke-Teke 






  A lenda conta que uma menina teria caído, sido atropelada por um trem e perdido metade do corpo. Visto que ela ficou muito tempo agonizando nos trilhos antes de morrer, ela se tornou um espírito vingativo.
  Sem a metade de baixo do corpo, a teke-teke faz um som quando caminha com as mãos, seja por conta dos ossos expostos ou por conta da foice que segura em uma das mãos. Seu nome é uma onomatopeia desse som que ela faz quando anda... tek... tek.
  Dizem, lá no Japão, que um garoto ouviu a teke-teke, quando saía de sua escola, tarde da noite. Ao procurar pela origem do som, uma garota apareceu em uma janela, com os braços apoiados no parapeito da janela. A garota parecia olhar para ele com interesse.
  Visto que era um colégio de meninos, o garoto ficou curioso e perguntou o ela fazia ali. A menina sorriu e se abraçou.
  Repentinamente, lançou-se pela janela, caindo no chão. O menino fica horrorizado ao ver que a garota só tinha a metade de cima. O menino tenta correr mas ficou paralisado de medo. A garota monstruosa subiu nele e enfiou-lhe a foice no peito.
   A teke-teke é uma lenda que ainda aterroriza estudantes no Japão.




China
  
   O Provador que Arranca Seus Órgãos






   Uma lenda recente na China conta que certas lojas de roupas, relacionadas com o mercado negro de órgãos, rapta e mata pessoas por meio de uma porta secreta nos provadores de lojas de roupa. Se a vítima não quiser experimentar nenhuma roupa, o vendedor fica insistindo, até a pessoa aceitar a entrar no provador, então uma porta secreta se abre, a vítima é levada para uma sala escura, onde ela é estripada e seus órgãos são vendidos no mercado negro.
   A história foi tão longe que a polícia chinesa chegou a investigar várias lojas. Ate hoje algumas pessoas ainda se recusam a entrar em provadores de lojas de roupas.



Mundial
  
Os Doll Makers







   Ahhh, a Deep Web... pensaram que eu não iria falar nenhuma lenda da Deep Web?
   Para quem não sabe, a Deep Web, é uma espécie de "subúrbio" da internet, uma parte da internet muito escondida, só sendo possível visitar com navegadores específicos. Lá, o anonimato corre solto e a criminalidade toma conta. Mas muitas lendas também saíram da deep web, então, não dá para acreditar em tudo.
   O caso dos Dolls Makers é, talvez, a lenda mais bizarra e doentia que saiu dali.
   Meninas sendo sequestradas, operadas, mutiladas e transformadas em bonecas sexuais, que são alimentadas com glicose para aumentar sua expectativa de vida em tal estado: sem braços nem pernas (seria acoplável com membros artificiais).
   O valor varia entre 40 e 700 mil dólares, e os empresários ricos e solitários seriam o público alvo.
   Quando a história saiu da Deep Web e foi para a internet normal, feministas se descabelaram, pessoas ficaram chocadas... mas para um economista é difícil acreditar nessa história.
   A demanda proveria de homens ricos e solitários. Não há muitos, mesmo no âmbito mundial. Principalmente, homens capazes de comprar um produto tão nefasto. O preço parece estranhamente baixo, se você contar o trabalho que daria para fazer uma boneca dessas; o número de cirurgias e amputações, o tempo de recuperação da vítima... eu não acredito que levaria menos de um ano para produzir uma única vítima; que sobreviveria por apenas mais alguns anos nesse estado. Um ano pagando doutores muito bem, uma vez que é uma atividade ilícita que poucos médicos teriam tanto sadismo para exercer. Acham mesmo que custaria apenas 600 000 dólares (o preço que um dos "rackers", se passando por um comprador, afirmou ter negociado) ?
   Outra questão é, como um produto tão estranho competiria com o tráfico de escravas sexuais? Não há nenhuma viabilidade para esse tipo cruel de empreendimento no mercado, mesmo pensando nos seres humanos mais sujos imagináveis.
   É bom termos senso crítico na hora de pesquisarmos na internet. Principalmente sobre lendas urbanas: enquanto que algumas podem ser divertidas outras podem ser extremamente chocantes e uma consideração racional pode ser saudável.





Kimonos Insdiscretos







 Contam que, durante o incêndio na loja de departamentos japonesa, de oito andares, o Shirokiya, em 16 de dezembro de 1932, muitas funcionárias do local, acuadas no teto do prédio, se recusaram a pular na rede de resgate, lá embaixo, por que não era costume mulheres usarem roupas de baixo quando estavam vestindo o tradicional Kimono. Elas não queriam pular e mostrar sua nudez quando o Kimono se levantasse com a queda e acabaram morrendo.
  Conta-se que, após essa tragédia, a loja de departamento ordenou que suas vendedoras usassem roupas íntimas por baixo do Kimono e, assim, a prática acabou se espalhando, gradualmente, por todo o Japão.
  Apesar dessa história ser muito relatada em forma oral e escrita, nunca foi comprovada pelos historiadores.






O Pipóqueiro








   No final dos anos oitenta, eu me lembro de um boato que contavam que, pelo visto, se espalhou por todo o Brasil. Contavam que os traficantes estavam contratando os pipoqueiros para salpicar cocaína nas pipocas e viciar as pessoas.
   Uma forma de marketing que custaria bastante caro para os traficantes, e, certamente, não traria nenhum retorno para eles... a não ser para os pipoqueiros, pois as vitimas, inconscientes de seu vício em cocaína, achariam que a pipoca é que era viciante.
  Outra lenda urbana sem noção...


Rússia


O Metrô - 2

 







   Stalin teria começado a construir uma linha de metrô secreta, denominada metro-2, em baixo de Moscou, para ligar prédios governamentais estratégicos e, segundo alguns, até mesmo para fora da cidade, para servir de fuga. Claro que, devido ao projeto ser ultra-secreto, ninguém sabe muito sobre isso.
   De fato, uma linha de metrô secreta foi descoberta durante a demolição do hotel Rossiya, próximo do Kremlin. O túnel foi chamado de d6 que seria, aparentemente, o nome real da linha de metrô secreta de Stalin.
   Mas há uma lenda que criaturas hediondas, fruto de experiências genéticas nefastas dos comunistas, teriam sido presas nesse túnel para que não causassem problemas.



Coreia do Sul
As notas de Won











   Na Coréia do Sul havia um homem muito rico que trabalhava na casa da moeda, cujo sobrenome era Kim.
  Enquanto ele viajava a negócios, sua filha, chamada Min Kim, foi assassinada. Quando polícia achou o corpo da menina, ele estava em pedaços. 
  Acreditando poder apaziguar o espírito da jovem, o pai decidiu imprimir desenhos das partes do corpo da jovem nas notas de won (moeda sulcoreana). Também escondeu pistas como o nome da menina.
   Muitos coreanos afirmam ter encontrado essas pistas escondidas em suas notas. Você consegue encontrar?







África do Sul

O Pinky Pinky









   A década de 90 parece ter sido rica em lendas urbanas, mesmo em outras partes do mundo. Na África do Sul, houve certa histeria com uma espécie de monstro que acreditava-se atacar as meninas quando elas iam ao banheiro. As meninas eram advertidas para não usarem roupa rosa, pois o monstro se irrita com a cor.
    Relatos de histeria em crianças surgiram em escolas por todo o país. Pelo visto, só as meninas podiam vê-lo e as que viam descreviam um ser semelhante a um Tokoloche, uma entidade mística da mitologia africana, que é descrita como um anão peludo.




O Coquetel de AIDS







   Logo após as pessoas tomarem conhecimento dos primeiros casos de AIDS no Brasil, surgiu a lenda de que pessoas estariam escondendo seringas sujas de AIDS em bancos de cinema. 
   Parece ter havido algumas notícias de pessoas que pegaram AIDS por meio de seringas escondidas em locais públicos.






Os Coreanos e os Ventiladores







  Os sulcoreanos preferem passar calor do que dormir com o ventilador ligado. Isso devido a crença de que o ventilador pode matar a pessoa durante o sono. 
  As causas variam como morte por hipotermia, morte por sufocamento (acreditam que o ventilador lhes tira o ar) e no caso de ventiladores de teto, que poderia se desprender e decepar a pessoa.




França


O Loup-Garou








  Uma lenda urbana da França conta sobre uma fórmula, ou um segredo, que faz uma pessoa se tornar um lobo. Loup é lobo em frances, e Garou é uma palavra antiga, do folclore francês, que representa uma pessoa capaz de se transformar em animal
   Se alguém encontra um Loup-Garou e consegue feri-lo, ele volta para a forma humana e conta o segredo. Assim a pessoa pode também virar um lobo por 101 dias. 
   Um Loup-Garou tem sentidos aguçados dos lobos, mas consciência e inteligência ainda humanas. Se o transformado falar sobre o encontro com alguém, permanece como lobo permanentemente, mas se ficar em silêncio, pode aproveitar o tempo como lobo e voltar a forma humana posteriormente.






Ônibus 375









  Esta história aconteceu em 14 de novembro de 1995 em Pequim, na China. À meia-noite, o ônibus 375 saiu do terminal de ônibus Yuan-ming-yuan. Este foi o último ônibus da noite e seu destino foi Xiang-shan (Fragrant Hills).
  A bordo estavam o motorista e uma condutora. A noite estava amargamente fria e um forte vento soprava. O ônibus parou no ponto sul, ao lado do Palácio de Verão e quando as portas se abriram, quatro passageiros passaram. Uma velha senhora, um casal e um jovem.
  O jovem casal sentou-se na frente, atrás do motorista, enquanto a velha e o menino estavam sentados do outro lado do ônibus, ao lado das portas. Enquanto o ônibus passava a noite, tudo o que podiam ouvir era o barulho do motor. Era uma área tranquila e remota e não havia outros veículos na estrada.
  Depois de um tempo, o motorista viu duas sombras ao lado da estrada, acenando no ônibus. Ele parou e quando as portas se abriram, três pessoas chegaram. Havia dois homens que estavam apoiando um terceiro homem entre eles, segurando-o pelos ombros. O homem do meio parecia desgrenhado e a cabeça inclinada, de modo que ninguém podia ver o rosto dele. Todos os três estavam vestidos com vestes chinesas tradicionais da dinastia Qing e seus rostos estavam pálidos.
  Os outros passageiros do ônibus ficaram assustados e olharam nervosamente enquanto o motorista se afastava e continuava pela estrada. A condutora tentou acalmar a todos dizendo: "Não tenham medo. Eles poderiam ser apenas atores atuando em um drama de fantasia na vizinhança. Talvez eles ficaram bêbados depois do trabalho e se esqueceram de trocar de roupa ".
  A velha seguiu se virando e olhando para os três estranhos que estavam sentados na parte de trás do ônibus. Houve um estranho silêncio. Nenhum dos passageiros disse uma palavra. Tudo o que podiam ouvir era o vento que assobiava lá fora.
   Após 3 ou 4 paradas, o jovem casal saiu do ônibus. O motorista do ônibus e o condutor feminino conversavam e riam. A velha senhora de repente pôs-se de pé e bateu no jovem sentado à sua frente. Ela estava gritando e fazendo um grande barulho, dizendo a todos que ele tinha roubado sua bolsa.
  O jovem levantou-se e começou a discutir com ela, mas a velha o agarrou pela gola e exigiu que o motorista os deixasse na próxima parada, para que pudesse levá-lo para a delegacia de polícia. O jovem ficou sem palavras.
  Quando o ônibus parou, a velha arrancou o jovem. Eles observaram enquanto o ônibus se dirigia pela noite e a velha senhora suspirou.
  "Onde está a delegacia?", Perguntou o jovem.
  "Não há uma estação de polícia", respondeu a velha. "Eu apenas salvei sua vida!"
  "O que? Como você salvou minha vida? ", Disse o jovem, intrigado.
  "Essas três pessoas eram fantasmas!", Respondeu a velha. "Desde que entraram no ônibus, tive dúvidas sobre eles, então continuei olhando para eles. Aconteceu que havia um vento soprando pela janela e eu vi tudo. Levantaram suas longas vestes e eu vi que não tinham pernas! "
  O jovem olhou para a velha com surpresa. Ele começou a suar. Ele não podia dizer uma palavra.
  A velha chamou a polícia e disse-lhes o que tinha visto.
  No dia seguinte, o ônibus 375 não voltou para a estação. Tinha desaparecido junto com o motorista e o condutor feminino. A polícia procurou na cidade inteira, mas não encontrou nenhum vestígio. Eles questionaram a velha e o jovem, mas eles descartaram sua história e decidiram que estavam mentalmente doentes.
  Naquela noite, The Beijing Evening News e The Beijing News relataram a história. A velha e o jovem foram entrevistados ao vivo na TV.
  Dois dias depois, a polícia finalmente encontrou o ônibus que faltava. Foi submerso no reservatório de Miyun, a cerca de 100KM de Fragrant Hills. Dentro do ônibus, eles descobriram três corpos mal decompostos: o motorista de ônibus, a condutora e um homem não identificado.





  Havia vários outros mistérios em torno deste caso:
  O ônibus não tinha combustível suficiente para dirigir até o reservatório de Miyun e quando a polícia abriu o tanque de gasolina, eles descobriram que estava cheio de sangue.

   Mesmo que os corpos tenham sido encontrados apenas dois dias depois que eles desapareceram, eles estavam muito decompostos. Mesmo que fosse verão, o processo de decomposição não poderia ser tão rápido. Uma autópsia confirmou que não havia nenhuma intromissão intencional com os corpos. Como eles podem se decompor tão rapidamente?
   A polícia fez uma inspeção rigorosa de todas as fitas de câmera de segurança em cada entrada que levava ao reservatório de Miyun, mas o ônibus não foi visto em nenhum deles. Na verdade, eles não encontraram nada fora do comum. Como poderia o ônibus chegar lá sem ser visto?
Até hoje, continua a ser um mistério não resolvido.



  Bom essa foi seleção de lendas urbanas mundiais do Histórias de Mistérios. Qual gostou mais? Pode comentar embaixo. Use também os botões de compartilhamento (share it) Se conhece alguma lenda urbana... tipo aquelas história da sua avó, sinta-se à vontade para expandir o tema nos comentários.

2 comentários:

  1. A MINHA PREFERIDA DESSAS E A MULHER DA BOCA RASGADA. SUCESSO COM O BLOG
    Abraços
    https://strangerboy01.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Fernando Vrech. Imagens de tema por andynwt. Tecnologia do Blogger.